quinta-feira, 2 de maio de 2013

MEU PRIMEIRO TEXTO PUBLICADO ADVINDO DE DIVERSAS INSÔNIAS!!! O QUE ACHA ???

"Pode falar que eu não ligo, Agora, amigo, Eu tô em outra, Eu tô ficando velha, Eu tô ficando louca.
Nem vem tirar Meu riso frouxo com algum conselho Que hoje eu passei batom vermelho,
Eu tenho tido a alegria como dom  Em cada canto eu vejo o lado bom".
Mallu Magalhães


Como definir uma súbita vontade de escrever pós sonhos? Existe nome?

Motivos e sensações mil. Há várias situações e períodos que motivam essa sensibilidade pós sonhos. Ou ausência dos mesmos.
Será o lado golfinho aflorando?
"Os golfinhos precisam respirar conscientemente; por isso, cada metade do cérebro dorme em momentos diferentes uma da outra, já que uma precisa estar ativa para a respiração".

Tens sonhos que são de uma intensidade tamanha que nos fazem pular. Pular aos sentimentos guardados, imagens desfiguradas, vontades recalcadas. Como um grito que inicia no coração e explode no pensar. De forma alguma se classificam como pesadelos, mas remetem há “coisas” que poderiam ficar em silêncio? 
Sim, não ou talvez. Não há necessidade de tabular ou escolher uma só. O fato em si é o dever conosco em explorar. Traduzir nossa essência.
Sem recalques ou ponderações de certo e errado tão instituída em nossa criação.
Se formos habituados a ver de um prisma ousaremos “olhar” de outro modo. Simples assim. De forma intimista. Você com você mesma onde não há como ter soluções. Ah... a não ser que não queira e todos temos um pouco de prazer no próprio flagelo. Chocante? Verdade! Quantas vezes não perceberam isso em suas ações?

Explore esse despertar abrupto é necessário em alguns ou vários momentos  analisar nossas loucuras. Nossa busca por equilíbrio. Indicando aonde olhar, com carinho, ou parar de deixar de valorizar.
A segurança física, mental e emocional faz com que haja um bloqueio em sentir. Sofrer, chorar, sorrir, lembrar, excitar, revoltar ou tranqüilizar.
Vida vidinha! Confusa e divertida.
Use essa imparcialidade e inconstância (insônia) de forma produtiva. Sem tentar manter tudo. Nem sempre a força que demonstramos está em nós.

 O Equilíbrio pode estar na desordem. Converse contigo ou seus amigos imaginários.  Aceite seus sentimentos arcaicos e obsoletos que não se adaptam a modernidade de todos. Mude caso não lhe caibam mais. Todos precisaram gritar. Sua natureza consegue somente com um! Não busque conseguir sentir variado. É forçado e chato, né? Respeite suas limitações.


Uma hora iremos conseguir o tão buscado “sei lá”. Que possamos pelo menos acertar o que não queremos já será uma bela vitória e o inicio de uma grande descoberta. A sua de seus desejos íntimos.
No meu coração alguns momentos são especiais e aproveitados com uma beleza única. Mesmo que não faça nenhum sentido! E o pós sonho vêem para nos relembrar. Quando o ritmo bate é bom. Às vezes pra quem toca outras pra quem escuta. Melhor quando para ambos.

Desejo sonhos leves e intensos e que tragam devaneios de pós sonhos. Quando vierem que possibilitem a descoberta dos detalhes.
 Patricia Ulmann,
18.01.2013 (Às 04:30 da madrugada)